Governança de projetos: 5 passos para começar agora na sua empresa

Governança de projetos: 5 passos para começar agora na sua empresa

Escrito por Roberto Gil Espinha

25 Mar 2022

3 min de leitura

Todo projeto está sujeito a leis, políticas e regulamentos que buscam garantir seu sucesso e integridade. Confiamos a execução dessas regras a diversas pessoas, como gestores e profissionais que atuam na parte mais operacional. Porém, a única forma de garantir que o projeto realmente é dirigido conforme os interesses dos stakeholders é através de Governança de Projetos.

O que é governança de projetos?

Governança de projetos é o conjunto de processos, leis e costumes que norteiam a forma como um projeto é administrado. O objetivo é assegurar o sucesso dos projetos ao promover normas e boas práticas e garantir que elas sejam executadas.

Ela serve como apoio e monitoramento para que as iniciativas sejam conduzidas dentro dos conformes, evitando problemas como:

  • Corrupção;
  • Desvios de estratégia;
  • Falta de prestação de contas;
  • Não cumprimento da legislação;
  • Etc.

Diferença entre governança e gerenciamento de projetos

A governança oferece estrutura, ferramentas, processos e modelos de tomada de decisão para o gerenciamento. Ou seja, é um apoio para a gestão e ao mesmo tempo a monitora.

Enquanto a governança estabelece regras, o gerenciamento é responsável por cumpri-las na prática através da gestão do trabalho no dia a dia.

Como implantar governança de projetos

1) Níveis de governança

O primeiro passo é entender como vai funcionar a estrutura de governança na sua empresa.

Ela pode se desdobrar em vários níveis dentro de uma organização, como:

Em empresas maiores, naturalmente há mais níveis de subdivisão. Todos os níveis respondem à governança corporativa de projetos.

2) Definição de papéis e responsáveis

Uma estrutura de governança requer papéis bem definidos, com responsáveis por seu funcionamento. Geralmente a responsabilidade é da alta gestão, e os papéis são relacionados a:

  • Comitês (de riscos, auditoria, responsabilidade social, entre outros);
  • Conselho fiscal;
  • Auditoria interna;
  • Auditoria independente;
  • Ouvidoria;
  • Etc.

3) Definição de metodologias e boas práticas

É responsabilidade da governança definir metodologias e boas práticas para projetos. E mais do que apenas definir, deve disseminar e promover as boas práticas, assim como realizar auditorias para assegurar o cumprimento delas.

4) Mensuração de resultados

Uma boa mensuração de resultados funciona através de 3 pilares: propósito, eficácia e eficiência.

  • Propósito é o entendimento dos objetivos do projeto;
  • A partir do propósito, estabelecemos indicadores que revelam se o projeto está demonstrando eficácia, ou seja, se o objetivo está sendo atingido;
  • Consideramos indicadores de eficiência os dados relacionados à forma de trabalhar: velocidade de entregas, desvios do plano, cronograma etc.

5) Documentação

Tudo o que foi definido anteriormente (papéis, indicadores, metodologias, estrutura) precisa ser documentado. É assim que surgem os regulamentos, políticas e processos que a governança defende.

Outra estrutura indispensável para o sucesso dos projetos é o Escritório de Projetos (PMO), que promove a padronização dos processos de governança e gestão de projetos.

O PMO é parte fundamental para a execução das políticas de governança: ele dá suporte aos gerentes de projetos e faz os elementos de governança e gestão acontecerem na prática, de forma padronizada entre os projetos.

Para entender mais sobre esse tema, assista ao nosso webinar completo sobre PMO. Basta clicar no botão abaixo para acessar!

Roberto Gil Espinha
Com mais de 20 anos de experiência em projetos com especial ênfase em Finanças e TI, vários destes como executivo da Datasul, atual Totvs. Atualmente é sócio Diretor da Euax, e lidera a equipe que desenvolve e comercializa o Artia, uma ferramenta inovadora voltada para a Gestão de Projetos. Também atua como consultor em empresas na estruturação de seus processos e metodologias de gestão de projetos, infra de TI e na adoção de boas práticas de engenharia de software. Bacharel em Administração de Empresas, com especializaçõe em Gestão Empresarial pela FGV-RJ e em Engenharia de Software pela PUC-PR. Certificado PMP e PMI-ACP pelo PMI, ITIL Foundation pelo EXIM e CSM, CSP pela Scrum Alliance.