Stephen Covey | Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Em seu premiadíssimo livro Os 7 Habitos Das Pessoas Altamente Eficazes (The 7 Habits of Highly Effective People), o guru Stephen Covey faz analogia com a conhecida história do lenhador que, trabalhando ininterruptamente sem preocupar-se com o estado do seu machado, foi tornando-se cada dia menos produtivo.

Os Sete Hábitos são:

Hábito 1: Ser Proativo
Hábito 2: Começar com o Objetivo em Mente
Hábito 3: Primeiro o Mais Importante
Hábito 4: Pensar Vencer-Vencer
Hábito 5: Procure Primeiro Compreender, Depois ser Compreendido
Hábito 6: Criar Sinergia
Hábito 7: Afinar o Instrumento

Estes hábitos estão em harmonia com o que Covey chama de “Equilíbrio P/CP”, onde o P representa a produção dos resultados desejados e CP indica a capacidade de produção.

O hábito 7, “Afinar o instrumento”, significa parar para afiar o machado, porque assim ele cortará melhor e mais rápido: ele é o seu CP pessoal e enfatiza a preservação e melhoria do seu bem mais precioso, que é você mesmo. O objetivo é buscar a renovação das quatro dimensões de sua natureza: a física, espiritual, intelectual e emocional, que devem ser exercidas com regularidade, de forma equilibrada.

O conceito de “Afiar o machado” não é novo e todos nós sabemos que precisamos parar periodicamente para avaliar e melhorar “nossas ferramentas”.

Mas, a verdade é que a maioria de nós vive esquecendo ou mesmo negligenciando isso. O dilema nos acompanha dia-a-dia: será que devo continuar e “cortar mais uma árvore” ou dar uma parada para “afiar o machado”?

Importante lembrar que ninguém vai poder responder esta pergunta além de você mesmo, porque é você que o usa e somente você poderá fazer esta avaliação. Nosso maior problema é que sempre achamos que é uma má hora para “afiar o machado”.

Sempre estamos com algo mais urgente para fazer: uma tarefa crítica, um marco a ser cumprido ou simplesmente a sobrecarga de trabalho. Sempre há alguém sendo priorizado: nossos clientes e superiores, parceiros e fornecedores, membros da equipe, etc.

Diariamente surgirá mais uma “árvore” urgente impedindo a parada para “afiar o machado”. Não se iluda: o momento certo da parada não vai chegar nunca, portanto, é você quem precisa tomar esta decisão e dedicar o tempo necessário se quiser continuar “cortando árvores” com eficiência.

E você? Tem reservado o tempo necessário para afiar o seu machado? Como estão suas leituras, networking, participação em eventos, escrita? Pense nisto, porque este é o hábito que torna todos os outros possíveis.